quarta-feira, 12 de Maio de 2010

Morreu Eusébio, a Lontra



Hoje morreu uma das famosas lontras do Oceanário, o Eusébio, que desde 1997 encantou os miúdos e graúdos que visitaram a infra-estrutura. Fica aqui a notícia para quem quiser saber mais:

«Lontra Eusébio morre no Oceanário de Lisboa
Uma das lontras marinhas do Oceanário de Lisboa, o "Eusébio", morreu devido à sua idade avançada, disse hoje a curadora do Oceanário de Lisboa.
Núria Baylina avançou à Lusa que "este era um desfecho expectável devido à idade avançada da lontra marinha macho".
"Em média, as lontras marinhas podem viver cerca de 20 anos e pelas nossas estimativas este macho já teria atingido essa idade", acrescentou.
Já há algum tempo que a equipa do Oceanário estava a acompanhar e a monitorizar o estado de saúde do "Eusébio", que "veio a deteriorar-se e culminou com a sua morte", explicou Núria Baylina.
A lontra marinha macho "Eusébio", um dos habitantes "mais carismáticos" do Oceanário, era proveniente do Alaska, chegou a Lisboa em Setembro de 1997, já em idade adulta, e foi vista por mais de 14 milhões de pessoas.
O casal de lontras marinhas do Oceanário de Lisboa, o "Eusébio" e a "Amália", teve três crias que se encontram em aquários na Europa e na América do Norte e duas delas vão regressar "em breve", referiu a curadora.
Com o regresso das duas crias, a Oceanário de Lisboa ficará com as únicas três lontras marinhas existentes na Europa, "reforçando a capacidade de sensibilizar os visitantes para a conservaçãodestes animais".
A lontra "Eusébio" foi embaixadora da sua espécie e da conservação dos oceanos, através da sensibilização dos visitantes para a alteração de comportamentos face ao meio ambiente.», in http://www.ionline.pt/conteudo/59622-lontra-eusebio-morre-no-oceanario-lisboa

3 comentários:

catarina disse...

Foste uma boa lontra Eusébio :)

bd disse...

Sempre gostei de ir ao oceanário e gostava de ver este casal. Felizmente, a viúva Amália vai voltar a reencontrar os seus filhotes!

catarina disse...

pois é :) uma mais valia para nós agora que o Eusébio partiu